TÁTICA OCUPACIONAL: MEU CORPO, MINHA TERRA (2011)

Cavar um buraco para enterrar uma perna e pesar toda a terra que foi tirada para colocar a perna. Pesar a terra e trocar simbolicamente o peso da perna com o peso da terra. Ser a terra: Meu corpo, minha terra. Adquirir simbolicamente a terra. Cerco a terra: ocupar e resistir como um minifúndio corporal. Coloco uma placa em cada território cercado. Uma ação que retoma as questões de corpo e território dos povos da América Latina, desde a concepção de que a Terra não é uma mercadoria, mas sim uma entidade de união e de religare. Refletir sobre os inúmeros incidentes que envolvem povos originários, indígenas, quilombolas e movimentos campesinos em sua luta pelo corpo, a terra e a vida.

O processo foi repetido para os quatro membros: Pernas direita e esquerda; braços direito e esquerdo. A ação durou 7 horas: cavar 4 buracos, enterrar, pesar, cercar.

Materiais: enxada, terra, luvas, balança de mão, placas, madeiras, arame.

* A performance foi apresentada durante a coletiva Fora do Eixo (Brasília, DF|Brasil, 2011).